34| Equoterapia da Esalq já atendeu 5 mil praticantes em 15 anos

Fealq financia parte da verba do projeto

O agente de reabilitação conquista logo de início por seu porte, robustez e tranquilidade. O cavalo transmite, ao praticante de equoterapia, força e confiança, o que contribui com a melhora da autoestima e proporciona um benefício psicológico e afetivo. Mas isso não é tudo. E nem o principal. Dados científicos mostram que, associada a tratamentos convencionais, essa terapia demonstra resultados positivos, como a melhora motora e cognitiva. Desde que teve início na Esalq, em 2001, o projeto "Equoterapia" já atendeu mais de 5 mil pessoas, entre crianças, adultos e idosos, em sua maioria com necessidades especiais.

A prática chegou ao Brasil entre as décadas de 1970 e 1980, porém a constatação de seus efeitos é antiga. Hipócrates, considerado o pai da medicina, já dizia no século V antes de Cristo que a recuperação de guerreiros feridos em batalhas se daria mais rapidamente se ocorresse no dorso de um cavalo. A observação, entretanto, ainda era fruto de especulação. Na primeira metade do século XX é que a equoterapia surgiu como ciência, na Europa. Atualmente, é praticada nos maiores centros do mundo, como Estados Unidos, Europa e Japão. 

Durante a atividade, o cavalo exerce três tipos de movimentos significativos: para cima e para baixo, de um lado para o outro e para frente e para trás, o que promove melhora no tônus muscular e na coordenação dos movimentos do praticante — que se transforma em um participante ativo em seu processo de reabilitação — além de proporcionar diversos benefícios na área de aprendizagem e linguagem. O animal também permite enxergar o mundo de outro ângulo, por sua altura. Para os cadeirantes, especialmente, o efeito psicológico é marcante. Sem contar que a atividade é feita ao ar livre, o que a torna mais agradável e contribui com a aceleração e evolução do tratamento.

Coordenada pelo professor Cláudio Maluf Haddad, a Equoterapia da Esalq tem atuação no ensino, pesquisa e extensão. Em relação ao ensino, já realizou cursos de formação profissional e palestras sobre o tema em vários locais, além de possibilitar que profissionais das áreas correlatas atuem como voluntários, vivenciando a prática e aprimorando seus conhecimentos sobre a terapia. Na área da pesquisa, foram desenvolvidos trabalhos de conclusão de curso, publicações de artigos em revistas especializadas e divulgação dos resultados em congressos nacionais e internacionais, o que fornece maior embasamento científico à prática das sessões terapêuticas. 

Já na extensão, o projeto – que tem capacidade para atender cerca de 80 pessoas – recebe moradores de Piracicaba e da região. O diferencial é que 95% deles são oriundos de famílias de baixa renda e o tratamento se torna possível devido à efetiva participação da Fealq no projeto, que atua de duas formas: gerenciando a verba que vem do convênio com a Prefeitura de Piracicaba e financiando parte dos recursos necessários para que a equoterapia se desenvolva, o que permite todo o trabalho voluntário para a população de baixa renda.

 

 

Veja também

01| MODERNIZAÇÃO DA TOMATICULTURA ELEVA PRODUTIVIDADE EM 40%

01| MODERNIZAÇÃO DA TOMATICULTURA ELEVA PRODUTIVIDADE EM 40%

A modernização da tomaticultura, que começou no Brasil a partir Read More
02| Força-tarefa esalqueana mudou estado da arte da borracha

02| Força-tarefa esalqueana mudou estado da arte da borracha

Departamentos da Esalq buscaram soluções para seringais Read More
03| Estudo reúne material sobre o calcário na agricultura

03| Estudo reúne material sobre o calcário na agricultura

Fealq editou publicação com 5 volumes nos anos 80 Read More
04| Tecnologias agrozootécnicas contribuem com indústrias

04| Tecnologias agrozootécnicas contribuem com indústrias

Fealq apoia e ajuda a divulgar conhecimentos técnicos Read More
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
©2018 FEALQ. Desenvolvido por Agência Multípla